49213150_139290367065946_6105124727968235520_o

Acreditar no que é dito, ou ouvir o que está vivo?

(Tempo de leitura: 2 minutos)
Imagem: Apprentie Girafe | Tradução da imagem: Marina de Martino

No âmbito daquilo que é dito existe um mar de possibilidades de desconexão.

Facilmente podemos cair no rótulo de certo e errado, querer ter razão, convencer a pessoa que a nossa ideia sugestão é a melhor do universo (afinal, funciona tão bem pra nós, né).

Também existe o risco de julgarmos a pessoa nossa inimiga por termos pensamentos diferentes. Ou, por supormos que somos tão diferentes por conta de uma visão de mundo.

E tá tudo bem tudo isso. Faz parte do existir esse posicionar-se a favor do próprio ponto de vista, o reforço do que acreditamos ser nossa identidade.

 

Porém, também existe espaço para ampliar essa visão. E aí comunicação não-violenta nos faz um lembrete, que abre um caminho de possibilidades.

Aquilo que é dito ou feito por alguém é uma expressão que busca cuidar de necessidades. Cuidar de algo que é importante.

Quando me estresso e começo a esbravejar ao ver alguém jogando lixo na rua, minha necessidade de respeito e mutualidade carece de cuidado.

Quando me incomodo com uma pessoa no trem lotado, de mochila nas costas, vejo que minha necessidade de espaço e cuidado não está sendo atendida.

E nesse mundo de necessidades, existe conexão. Ainda que não concorde com você, posso reconhecer sua necessidade. Reconhecer que também a tenho, em outros momentos. Assim, aumenta minha capacidade de acolher o diferente.

 

Exercite seu músculo da empatia

1. Pense em uma situação que você rotula o outro como inimigo.

2. Quais são os fatos observáveis? Aquilo que você pode gravar com a lente de uma câmera ou um gravador de voz.

3. Quais necessidades você percebe que não estão atendidas nessa situação?

 

Bônus (se você quiser se desafiar)

1. Pense numa situação onde você se indignou por outra pessoa não ter gostado de sua atitude ou fala.

2. Identifique os fatos.

3. Imagine quais necessidade dessa pessoa não foram ou estão sendo cuidadas.

Anterior:

Já pensou em expressar gratidão de um lugar de consciência?

Próximo:

Já parou para pensar no que você “tem que…” nessa vida?

Compartilhe essa postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Terminou a leitura? Conte-nos o que achou!

O preenchimento do e-mail é opcional. Caso preencha, ele não será publicado e/ou compartilhado com ninguém.

PRODUTOS DA COLIBRI QUE PODEM TE INTERESSAR

Nós usamos cookies para lhe oferecer uma melhor experiência. Ao concordar você aceita o uso de coookies de acordo com nossa política de cookies.

Privacy Settings saved!
Configurações de privacidade

Quando você visita qualquer website, ele pode registrar informações em seu navegador, a maior de parte deles em forma de cookies. Controle suas políticas de cookies aqui.

These cookies are necessary for the website to function and cannot be switched off in our systems.

In order to use this website we use the following technically required cookies
  • wordpress_test_cookie
  • wordpress_logged_in_
  • wordpress_sec

We use WooCommerce as a shopping system. For cart and order processing 2 cookies will be stored. This cookies are strictly necessary and can not be turned off.
  • woocommerce_cart_hash
  • woocommerce_items_in_cart

Decline all Services
Accept all Services