Que tal acompanhar nossas mídias sociais?
Inspire-se! Transforme-se!

Já parou para pensar no que você “tem que…” nessa vida?

– Tempo de leitura: 2 minutos

Imagem: Apprentie Girafe | Tradução da imagem: Marina de Martino

Você já pensou ou falou alguma frase que começa com “Eu tenho que…”?

Como foi a continuação da frase?

  • Eu tenho que levantar cedo para trabalhar.
  • Eu tenho que levar as crianças na escola.
  • Eu tenho que responder os e-mails de clientes.
  • Eu tenho que tomar esse remédio ruim.
  • Eu tenho que mudar meus hábitos.

Quanta coisa a gente “tem que” fazer nessa vida, né?

De fato, todos estes exemplos (e tantos outros que talvez tenham passado por sua mente) são ações válidas e até importantes para mim e/ou para você.

Porém, talvez possamos fazer um pequeno ajuste de perspectiva sob a ótica da autorresponsabilidade. Uma prática bem fundamental e que faz parte da integração da filosofia da comunicação não-violenta em nosso dia-a-dia.

Escolha uma destas frases do exemplo, ou alguma outra que pensou.

Substitua o “Eu tenho que” por “Eu escolho” e, ao final da frase, complemente com “para cuidar da minha necessidade de [nome da necessidade]”.

Exemplo:

– Eu tenho que escrever 3 ou 4 vezes por semana aqui na página da Colibri

– Eu escolho escrever 3 ou 4 vezes por semana aqui na página da Colibri para cuidar da minha necessidade de propósito (me realizo escrevendo), segurança financeira (algumas publicações geram inscrições em nossos cursos, vendas de nossos produtos) e prazer (desde pequeno escrevo, é uma paixão).

Parece simples, e até trivial, realizar essa mudança de perspectiva. Porém, ela é poderosa.

Ao “ter que” que fazer algo, a responsabilidade está fora. Nas coisas. O mundo me leva para onde ele quer levar.

Ao “escolher”, assumimos a responsabilidade por aquilo que fazemos. Temos ainda a possibilidade de revisitar nossas escolhas e entender se faz sentido continuarmos fazendo algo ou podemos escolher outras estratégias para cuidar das nossas necessidades.

– Quer dizer que tudo é responsabilidade minha?

Não. Não isso. Acreditamos na corresponsabilidade, por entendermos que somos seres sociais.

Existe uma troca, quando falamos de relações. Porém, tomar consciência de que podemos fazer escolhas, por mais difíceis que sejam e os impactos não sejam tão agradáveis, devolve o poder em nossas mãos.

Porém, cuidado! Muito cuidado, mesmo. Ao olharmos pra questões envolvendo opressão.

Quando falamos de justiça social e questões complexas e sistêmicas, esse olhar pode ser ainda mais opressor sobre as pessoas.

Nada de falar pra quem está numa situação difícil que “ela pode escolher sair daquilo por conta própria”. Ainda mais se for um sistema de opressão, como questões raciais, de gênero e orientação sexual.

Para casos assim (dentre tantos outros), acreditamos que existe uma complexidade maior a ser considerada. Algo sobre a estrutura da sociedade, que leva pessoas às margens por serem diferentes do que definiu-se (sabe-se lá quando) um “padrão”.

Bem, só esse tema já daria todo um livro, né. Deixamos ao final o link de um texto para quem quiser compreender mais essas questões estruturais, intitulado ‘Aumentando a diversidade nos encontros de comunicação não-violenta’.

Assuma o poder sobre suas escolhas. Esteja mais consciente. Tenha uma vida mais plena.

https://colabcolibri.com/facilitacao-de-grupos/aumentando-a-diversidade-nos-encontros-de-comunicacao-nao-violenta-cnv/

Tem interesse em investir em suas habilidades relacionais e comunicacionais?

Cada produto nosso foi escolhido a dedo, com a intenção de apoiar seu desenvolvimento pessoal e profissional

Curso facilitado
TRETA: da polarização ao diálogo
Um curso para  aprender a lidar com quem pensa diferente.
Curso online gravado
Introdução à Comunicação Não Violenta
Comunicação consciente e empatia como caminho para a colaboração e relações saudáveis no ambiente de trabalho, e além
Kits de produtos
Kit beabá da CNV
Kit composto por três livros ilustrados que, quando lidos em conjunto, oferecem uma compreensão básica da Comunicação Não Violenta, tanto dos seus conceitos como das suas possibilidades de uso
Livros
Comunicação Não Violenta no trabalho
Um livro para te apoiar na integração de uma comunicação mais empática e assertiva no trabalho, pautado na CNV
Jogo GROK
Jogos
Jogo GROK
Um jogo para apoiar a prática de empatia e Comunicação Não Violenta de forma lúdica e divertida
Deixe um comentário!

Conta pra gente suas dúvidas, aprendizados, inquietações! Vem construir esse espaço de troca com a gente!

Assinar
Notificação de
guest
1 Comentário
Mais votado
Mais recente Mais antigo
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Inspire-se! Transforme-se!

Quais são seus silêncios?

Vamos exercitar a imaginação.Tô numa relação. Amorosa. Poliamorosa. De trabalho. Amizade. Familiar. Tanto faz. Escolhe aí. É uma relação que, hoje, faz total sentido. Quero

Leia mais »