Que tal acompanhar nossas mídias sociais?
Inspire-se! Transforme-se!

Dica 5 – Pedir o que eu quero vs Pedir o que eu não quero

– Tempo de leitura: 2 minutos

“- Eu não quero que você fique no computador até tarde”, disse a mãe logo após o jantar.

Por volta das onze da noite, seu filho assistia televisão. Ela, inconformada, esbravejava:

“- Como assim?! O que está fazendo vendo televisão?”

Antes mesmo de o filho dizer que não estava no computador, como ela pediu, foi mandado para a cama dormir.

 

Estamos habituados a focar naquilo que não gostamos e a expressar aquilo que não queremos mais que aconteça. Esta talvez seja a melhor estratégia que adotamos, até agora, para lidar com situações indesejadas do dia-a-dia. Seja na vida pessoal ou profissional.

Quando nosso pedido é “pare de fazer algo”, estamos dizendo a nós mesmos ou aos outros o que queremos que deixe de ser feito, como forma de cuidar de nossas necessidades.

Porém, nem sempre esta estratégia gera resultados desejados. Inclusive, tem horas que comunicar o que não queremos pode gerar um transtorno muito maior.

Quando pedimos por algo que queremos, trazemos mais clareza para o que é importante pra nós. E se nos conectamos com nossas necessidades, a probabilidade de a outra pessoa se sentir motivada /a contribuir com nosso bem-estar, pode aumentar.

 

Voltemos ao exemplo:

“- Olha filho, eu estou preocupada com sua saúde. Gostaria de combinar com você outras formas de passar o tempo após o jantar, que seja diferente de aparelhos eletrônicos.”

Dessa forma, é possível ter mais clareza de sua preocupação. Seu filho pode compreender melhor a intenção, para além do ‘não pode’ ou ‘não faça’. Por esse caminho de compreensão é possível seguir no diálogo e busca de soluções.

 

Não somos obrigados a pedir aquilo que queremos. Isso é uma escolha. Talvez, nem sempre teremos disposição e energia para formular pedidos propositivos. E está tudo bem.

Lembre também que se comunicar de forma mais empática é um exercício constante. Uma busca diária de transformar hábitos anteriores baseados na separação e culpabilização.

 

Vamos praticar?

1. Pense em uma situação que você se comunicou com base naquilo que não queria e só piorou, ao invés de resolver.

2. Quais necessidades suas não estavam sendo atendidas nessa situação?

3. Como você poderia reformular seu pedido, trazendo aquilo que você gostaria que acontecesse?

4. Durante a/esta semana, respire fundo antes de fazer pedidos. Exercite pedir aquilo que você quer, ao invés daquilo que não quer.

5. Observe os resultados das suas interações a partir dos pedidos feitos daquilo que você quer.

Colibri
Textos sob o nome de Colibri foram escritos por Sérgio Luciano e Laura Claessens, fundadores da Colibri.
Tem interesse em investir em suas habilidades relacionais e comunicacionais?

Cada produto nosso foi escolhido a dedo, com a intenção de apoiar seu desenvolvimento pessoal e profissional

Curso facilitado
TRETA: da polarização ao diálogo
Um curso para  aprender a lidar com quem pensa diferente.
Curso online gravado
Introdução à Comunicação Não Violenta
Comunicação consciente e empatia como caminho para a colaboração e relações saudáveis no ambiente de trabalho, e além
Kits de produtos
Kit beabá da CNV
Kit composto por três livros ilustrados que, quando lidos em conjunto, oferecem uma compreensão básica da Comunicação Não Violenta, tanto dos seus conceitos como das suas possibilidades de uso
Livros
Comunicação Não Violenta no trabalho
Um livro para te apoiar na integração de uma comunicação mais empática e assertiva no trabalho, pautado na CNV
Jogo GROK
Jogos
Jogo GROK
Um jogo para apoiar a prática de empatia e Comunicação Não Violenta de forma lúdica e divertida
Deixe um comentário!

Conta pra gente suas dúvidas, aprendizados, inquietações! Vem construir esse espaço de troca com a gente!

Assinar
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários