pedir o que eu quero vs o que não quero

Dica 5 – Pedir o que eu quero vs Pedir o que eu não quero

(Tempo de leitura: 2 minutos)

“- Eu não quero que você fique no computador até tarde”, disse a mãe logo após o jantar.

Por volta das onze da noite, seu filho assistia televisão. Ela, inconformada, esbravejava:

“- Como assim?! O que está fazendo vendo televisão?”

Antes mesmo de o filho dizer que não estava no computador, como ela pediu, foi mandado para a cama dormir.

 

Estamos habituados a focar naquilo que não gostamos e a expressar aquilo que não queremos mais que aconteça. Esta talvez seja a melhor estratégia que adotamos, até agora, para lidar com situações indesejadas do dia-a-dia. Seja na vida pessoal ou profissional.

Quando nosso pedido é “pare de fazer algo”, estamos dizendo a nós mesmos ou aos outros o que queremos que deixe de ser feito, como forma de cuidar de nossas necessidades.

Porém, nem sempre esta estratégia gera resultados desejados. Inclusive, tem horas que comunicar o que não queremos pode gerar um transtorno muito maior.

Quando pedimos por algo que queremos, trazemos mais clareza para o que é importante pra nós. E se nos conectamos com nossas necessidades, a probabilidade de a outra pessoa se sentir motivada /a contribuir com nosso bem-estar, pode aumentar.

 

Voltemos ao exemplo:

“- Olha filho, eu estou preocupada com sua saúde. Gostaria de combinar com você outras formas de passar o tempo após o jantar, que seja diferente de aparelhos eletrônicos.”

Dessa forma, é possível ter mais clareza de sua preocupação. Seu filho pode compreender melhor a intenção, para além do ‘não pode’ ou ‘não faça’. Por esse caminho de compreensão é possível seguir no diálogo e busca de soluções.

 

Não somos obrigados a pedir aquilo que queremos. Isso é uma escolha. Talvez, nem sempre teremos disposição e energia para formular pedidos propositivos. E está tudo bem.

Lembre também que se comunicar de forma mais empática é um exercício constante. Uma busca diária de transformar hábitos anteriores baseados na separação e culpabilização.

 

Vamos praticar?

1. Pense em uma situação que você se comunicou com base naquilo que não queria e só piorou, ao invés de resolver.

2. Quais necessidades suas não estavam sendo atendidas nessa situação?

3. Como você poderia reformular seu pedido, trazendo aquilo que você gostaria que acontecesse?

4. Durante a/esta semana, respire fundo antes de fazer pedidos. Exercite pedir aquilo que você quer, ao invés daquilo que não quer.

5. Observe os resultados das suas interações a partir dos pedidos feitos daquilo que você quer.

Anterior:

Dica 4 – Pedidos vagos x Pedidos claros e factíveis

Próximo:

Dica 6 – Pedidos vs Exigências

Compartilhe essa postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Terminou a leitura? Conte-nos o que achou!

O preenchimento do e-mail é opcional. Caso preencha, ele não será publicado e/ou compartilhado com ninguém.

PRODUTOS DA COLIBRI QUE PODEM TE INTERESSAR

Nós usamos cookies para lhe oferecer uma melhor experiência. Ao concordar você aceita o uso de coookies de acordo com nossa política de cookies.

Privacy Settings saved!
Configurações de privacidade

Quando você visita qualquer website, ele pode registrar informações em seu navegador, a maior de parte deles em forma de cookies. Controle suas políticas de cookies aqui.

These cookies are necessary for the website to function and cannot be switched off in our systems.

In order to use this website we use the following technically required cookies
  • wordpress_test_cookie
  • wordpress_logged_in_
  • wordpress_sec

We use WooCommerce as a shopping system. For cart and order processing 2 cookies will be stored. This cookies are strictly necessary and can not be turned off.
  • woocommerce_cart_hash
  • woocommerce_items_in_cart

Decline all Services
Accept all Services
X
X