diversidade nos encontros de cnv

Aumentando a diversidade nos encontros de Comunicação Não-Violenta (CNV)

(Tempo de leitura: 6 minutos)

Originalmente escrito por Roxy Manning, o texto fala sobre a realidade da Comunicação Não-Violenta nos Estados Unidos. Porém, acreditamos que ele dialoga totalmente com a realidade brasileira no que tange a questões raciais.

 

Eu participei de dezenas de eventos sobre comunicação não-violenta (CNV) ao redor do mundo. Se o encontro é nos Estados Unidos ou em um país europeu, um fato é aparente: muitas vezes sou a única pessoa de cor visivelmente presente. Nos EUA, pessoas brancas me abordaram várias vezes para perguntar: “Como podemos ter mais pessoas de cor na sala?” Infelizmente, pessoas de cor também se aproximaram de mim para me dizer por que elas não estão voltando aos encontros de CNV. Este ensaio é para compartilhar com as pessoas – especialmente as pessoas brancas – que querem aumentar a diversidade nos encontros algumas das coisas que elas podem fazer para tornar os encontros de CNV mais acolhedores para pessoas de cor nos EUA.

 

Um primeiro passo importante é se informar.

Você está realmente ciente das experiências de pessoas de cor na América? Você já olhou para as estatísticas sobre as disparidades raciais em renda, conquistas, detenção, moradia e discriminação no trabalho? Você já considerou o que essas estatísticas significam para a experiência do dia-a-dia de muitas pessoas de cor?

Houve vários casos em encontros de CNV, ao surgir o assunto da raça, que ouvi alguém minimizar as experiências de pessoas de cor. Isso pode acontecer em declarações explícitas ou de maneiras sutis. Por exemplo, depois que um homem latino compartilhou como policiais espancaram seu irmão simplesmente por ter perguntado por que ele foi parado (a gênese da desconfiança subsequente do locutor diante da polícia), uma mulher branca expressou choque que exista alguém que acredite que os policiais não foram solícitos. Quando isso aconteceu, muitas das pessoas de cor ficaram caladas no grupo. Como é possível começar a se conectar quando as experiências diretas de vida são desafiadas? Como foi possível que as estatísticas sobre violência policial contra pessoas de cor não foram apenas desconhecidas, mas também desafiadas?

Você está fazendo seu próprio trabalho interno fora desses encontros ou anda perguntando essas coisas para pessoas de cor que vêm a sua oficina para aprender e compartilhar a CNV? Obtenha apoio fora desses eventos para entender as questões de discriminação e as disparidades resultantes dela.

Em uma oficina recente, uma afro-americana descreveu, com muita dor, seu cansaço total em relação a seus amigos brancos, pedindo que os alertasse quando eles diziam algo racialmente insensível. Ela descreveu estar exausta por tentar lidar internamente com essas questões, à medida que surgiam. Ela ficou perplexa por ter sido convidada a cuidadosamente guardar qualquer reação que pudesse ter para educar com calma a própria pessoa da qual o comentário a afetou. Observe o impacto que pedidos de educação e apoio que você faz podem ter sobre outras pessoas cuja experiência não é reconhecida. Escolha fazer o seu trabalho interno de maneiras que não são desgastantes para as pessoas de cor presentes no ambiente!

 

Se você já iniciou seu trabalho interno e aprendeu as questões, pode fazer muito para apoiar as comunidades de CNV quando essas questões de diversidade surgirem.

Uma consequência do privilégio que muitas pessoas brancas experimentam é que elas, apesar da melhor das intenções, podem estar completamente inconscientes das experiências das pessoas de cor, ou porque experimentar certos comportamentos pode ser desafiante para uma pessoa de cor.

Eu vi surgir uma questão de sensibilidade racial em um ambiente diverso, e observei todos recorrendo a outra pessoa de cor para intervir. Se você é uma pessoa branca e está ciente da questão, intervenha em seu lugar. Você pode ajudar a comunidade a entender e demonstrar que essa não é uma questão de pessoas de cor, mas um desafio para todos na comunidade. Você pode remover a pressão descrita anteriormente de que, se algo me provocar enquanto pessoa de cor, eu devo colocar de lado meus incômodos e gatilhos e tomar a palavra. Se você tem o conhecimento e a consciência para facilitar, então intervenha. Ajude a educar aqueles que ainda precisam entrar para endereçar a discriminação e as disparidades do sistema.

 

Um terceiro passo é distinguir entre intenção e impacto, e se atentar ao impacto.

A maioria das pessoas que vem para os encontros de CNV tem em seus corações a intenção de se conectar e apoiar. Apesar de suas melhores intenções, às vezes seus esforços para se conectar têm um impacto diferente da sua intenção. O que você faz quando isso acontece, especialmente em torno de questões de diversidade, afeta o quão acolhedores os encontros de CNV podem ser. Quando você afeta alguém, mesmo quando não foi sua intenção, geralmente sabe o que fazer. Muitos ensinamentos na CNV tratam disso – conexão antes de correção; empatia primeiro. Mas o que tenho visto acontecer repetidamente quando se trata de diversidade é o oposto. As pessoas ficam tão horrorizadas com a possibilidade de serem percebidas como racistas que se concentram em serem entendidas por sua intenção, insistindo frequentemente que a pessoa de cor que expressou dor diante das ações da pessoa branca pare de expressar dor e reconheça a intenção da pessoa branca.

Por exemplo, em uma oficina recente, uma mulher afro-americana – que acabara de explicar como era doloroso compartilhar suas experiências de discriminação – explodiu em profunda dor e raiva quando a resposta de alguém foi deixá-la saber que desejavam conhecê-la melhor e pediu à mulher afro-americana para compartilhar suas experiências de discriminação. O solicitante continuou interrompendo a mulher afro-americana, protestando: “Não foi isso que eu quis dizer”.

Uma jovem asiática-americana explicou como esses tipos de experiências a levaram a se distanciar de encontros de CNV. Ela compartilhou que quando tentou abordar coisas que aconteceram nestes encontros que ela achava dolorosas, outras pessoas insistiam que ela se concentrasse em observações, sentimentos e necessidades. Sua experiência foi que, enquanto as pessoas tentavam fazer com que ela se concentrasse apenas no momento atual e na intenção de quem falava, quer a pessoa intencionasse isso ou não, a dor estimulada nela pelo contexto histórico em que essas interações caíram, foi minimizada e negligenciada.

Como uma mulher descreveu, “se eu entrar na loja e você vier de trás do balcão para me seguir, você pode ter feito isso completamente por acaso. Isso não muda o impacto em mim enquanto eu sinto a dor que surge quando este evento me lembra da quantidade de vezes que lojistas me seguiram, me pararam e me pediram para abrir minha bolsa para provar que eu não estava furtando em lojas. Não conheço sua intenção e a dor estimulada em mim é real ”, explicou ela. “Ouvir sua intenção não diminui a dor que esta é minha experiência, e que isso aconteceu com frequência suficiente para ser um padrão no qual suas ações se encaixam.”

Neste caso, use a CNV integralmente. Ou ofereça empatia à pessoa vivendo essa dor, ou busque receber empatia você mesmo de outra pessoa. Pedir a uma pessoa de cor para parar e cuidar da dor alheia cai diretamente em outra armadilha que as pessoas de cor acham muito familiar: Não deveríamos “deixar” as pessoas brancas desconfortáveis. Então, nossa dor precisa ser particular e apenas compartilhada entre nós. Como podemos querer fazer parte de um espaço que se orgulha da autenticidade, quando nossa autenticidade é restrita apenas ao que é confortável para você?

Continue a fazer o seu trabalho interno. Perceba quando sua dor em relação às possíveis percepções sobre você ou sobre o impacto de suas ações, surge e recebe apoio.Mas não permita que receber apoio ou resolver sua própria dor lhe impeçam de reconhecer o impacto de suas ações em pessoas de cor. Que não seja um impedimento para você empatizar com a dor que experimentamos ao ouvir suas palavras.

 

Relacionado a esses pontos está a questão sobre o que é “aceitável” falar em encontros de CNV.

Fiz parte de muitos grupos de CNV onde discutimos tópicos intensos. As pessoas compartilharão histórias de traumas pessoais comoventes e os grupos pararão para expressar cuidado e sustentar o espaço para elas. Mas, de novo e de novo, vi pessoas de cor expressarem dor sobre o racismo. As pessoas se calam. Mudamos o assunto. Iniciamos um debate sobre a validade da experiência do interlocutor ou pedimos ao interlocutor para provar sua observação.

A América ainda está tão atormentada sobre racismo, tão insegura sobre como admiti-lo e falar sobre, que mesmo em encontros de CNV, não sabemos como falar sobre isso e temos medo de admiti-lo. É um assunto tão doloroso – e, em alguns casos, tão arriscado – que gera tanto medo para pessoas brancas como pessoas de cor, que ambos os lados tendem a evitá-lo.

O próximo passo é aceitar que você vai cometer erros e que vai estimular a dor de alguém. Isso não significa evitar o assunto. Fale sobre isso. Enderece o tema. Nomeie seus medos. Se você afetar alguém, então use suas habilidades de CNV e lide com isso. Empatize! Se você não conseguir, faça autoempatia e ajude a outra pessoa a receber empatia.

Se você afetar alguém e não entender o motivo, peça a um amigo branco ou a alguém mais experiente (e não afetado) para ajudá-lo a entender. Empenhe-se! Não fuja e ignore o elefante na sala. Se você é branco, pode fingir que não está lá e que ele sairá quando a pessoa de cor sair. Mas se você é uma pessoa de cor, esse elefante tem sua tromba enrolada em volta do seu coração, esperando para segui-lo na próxima reunião. Reconheça que isso não é uma questão apenas para as pessoas de cor. Todas e todos perdemos algo precioso – uma comunidade autêntica – quando não discutimos questões de diversidade, especialmente quando isso resulta em pessoas saindo e não voltando.

Este ensaio também destaca um aspecto de liderança que é especialmente importante quando se trata de questões como inclusão, dinâmicas de grupo e funcionamento de grupos. Você não precisa ser o líder designado em um grupo para realizar essas ações. Como líder, você terá certo poder estrutural que facilitará suas ações terem um impacto nos outros membros do grupo. Mas, grandes mudanças podem acontecer quando as pessoas lideram de baixo, quando tomamos atos de liderança a partir de posições de menos poder estrutural.

Independentemente da sua posição no grupo, a maneira como você responde quando confrontado com essas questões pode impactar como o grupo funciona e o quão acolhedor o ambiente do grupo é para todas e todos. Como uma pessoa branca que testemunha algumas das dinâmicas dolorosas descritas anteriormente no artigo, você pode optar por usar o privilégio que tem como pessoa branca para mudar os padrões frequentemente inconscientes que atormentam grupos bem-intencionados, tenha ou não o poder estrutural que vem junto ao nome de líder. É uma ótima oportunidade para realmente viver em alinhamento com seus valores, para criar um clima mais inclusivo e para liderar pelo exemplo.

 

Tradução livre do artigo “Increasing Diversity in NVC Circles” escrito originalmente em inglês por Roxy Manning.

A experiência de vida de Roxy como imigrante afro-caribenha, combinada com sua formação acadêmica e trabalho profissional como psicóloga clínica licenciada e Treinadora Certificada de CNV cultivou nela uma profunda paixão pelo trabalho que apoia a mudança social, seja com indivíduos, casais ou instituições.

Fonte: http://www.roxannemanning.com/2015/12/30/increasing-diversity-in-nvc-circles/

Tradução gentilmente oferecida pela Colibri. Ao copiar fragmentos do texto, pedimos para mencionar a fonte.

Compartilhe essa postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

4 respostas

  1. Vou dizer a verdade, me incomodou esse termo pessoas de cor.Fica difícil até entender o texto.Mas,o texto é bom e vale por orientar que as pessoas cresçam e evoluam, o mundo é cromo uma grande estrada bem cada um está em uma parte uso caminho.
    Quero acreditar que por citar pessoas de cor esteja falando de todas as cores. Grande abraço!

    1. Olá Rosete, gratidão por nomear o uso do termo pessoas de cor. Como fizemos uma tradução do texto e esse foi o termo usado pela escritora, acabamos por manter dessa forma. Inclusive, é usado nos Estados Unidos para falar sobre temáticas de racismo, opressão, etc.

      No contexto americano, é usado principalmente para descrever qualquer pessoa que não seja europeia-americana ou branca. O termo engloba todas as pessoas não brancas, enfatizando experiências comuns de racismo sistêmico.

      De fato pode ser um termo que gera desconforto. E mantê-lo foi uma decisão consciente, pois esse desconforto ao lermos o termo (a começar por mim) é talvez uma pequena experiência do desconforto diário de pessoas que são marginalizadas e invisibilizadas diariamente por uma estrutura opressora que existe na sociedade hoje, que marginaliza pessoas diferentes do “padrão” europeu-americano e/ou branco.

      Mais uma vez, grato por nomear esse ponto e expressar como ele chegou pra você.

      1. Excelente texto sobre como usar a CNV no contexto do sentimento de pertença nos encontros. Como mulher negra, já senti esse desconforto de não me sentir segura e acolhida nesses espaços. Primeiro por ser sempre a única e segundo pela abordagem de alguns facilitadores que não se sentem confortáveis em falar sobre o tema.

Terminou a leitura? Conte-nos o que achou!

O preenchimento do e-mail é opcional. Caso preencha, ele não será publicado e/ou compartilhado com ninguém.

PRODUTOS DA COLIBRI QUE PODEM TE INTERESSAR

Nós usamos cookies para lhe oferecer uma melhor experiência. Ao concordar você aceita o uso de coookies de acordo com nossa política de cookies.

Privacy Settings saved!
Configurações de privacidade

Quando você visita qualquer website, ele pode registrar informações em seu navegador, a maior de parte deles em forma de cookies. Controle suas políticas de cookies aqui.

These cookies are necessary for the website to function and cannot be switched off in our systems.

In order to use this website we use the following technically required cookies
  • wordpress_test_cookie
  • wordpress_logged_in_
  • wordpress_sec

We use WooCommerce as a shopping system. For cart and order processing 2 cookies will be stored. This cookies are strictly necessary and can not be turned off.
  • woocommerce_cart_hash
  • woocommerce_items_in_cart

Decline all Services
Accept all Services
X
X